11.8.17

letrux*



Letrux é o novo não só porque tem o que dizer, mas porque o diz de maneira inédita, mesmo quando trata de sentimentos que todos conhecemos muito bem, realizando a proeza de soar absolutamente singular, desconcertante, sedutora na alegria ou na tristeza, na verdade ou na ironia, na densidade ou na leveza

desde a primeira audição fui seduzido pelo mistério desse disco e ontem, em São Paulo, a estreia do show revelou uma multidão igualmente seduzida, cantando junto, chorando, rindo, amando, flutuando no salão do não óbvio, da diferença

por mais que tenha acabado de chegar, por esse acontecimento que a gente não sabe explicar, de quando a música se impõe e é capaz de atingir tanta gente como uma flecha, esse disco já é um clássico do pop brasileiro à altura dos nossos ídolos e, ainda bem, dissonante de todos eles

Letrux não é isso ou aquilo, é um agora como jamais ouvimos, é o auge da expressão da Letícia Novaes em seu presente bonito, pessoal e intransferível

*depois do "caldo", depois do show




Nenhum comentário: